sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Saldo negativo

Não vai embora, não vai não. Por favor. Você prometeu que não ia me esquecer.
Eu sei que foi uma promessa fácil, de amigos pouco chegados, quase colegas. Mas ainda assim, eu pensei que poderia ter algum jeito de você cumprir sua palavra. Pelo visto, me enganei, porque agora você já está por aí, desfilando uma nova vida que não me inclui. E eu te fiz prometer não me deixar justamente por isso, porque ambos sabíamos que não havia possibilidades de continuarmos amigos, ou próximos. Mas será que não havia mesmo? Será que tem que ser assim, cada um para um lado? Sempre assim? Porque talvez você não tenha notado, mas havia uma pontinha de duvida em mim quando disse que sabia não haver futuro para nós. Um pouco de esperança também que, quem sabe, você pudesse pensar o mesmo.
Eu acho que esqueci de te contar que gosto do seu sorriso grandão. Acho que deixei passar a chance de te dizer que você é lindo. Eu já se quer disse o quanto sinto falta do seu abraço descontraído? Já deixei você saber que gosto de você, mais do que deveria, mais do que queria e mais do que nós imaginávamos?
Sabe, eu errei de novo. Eu te deixei escapar, do mesmo modo como sempre faço. Te deixei sair do meu alcance, achando que estava apenas te dando tempo e espaço, mas a única coisa que eu consegui te dar foi a certeza que você vive, e muito bem, sem mim. A certeza que eu sou dispensável na sua vida.
Eu fui burra. De novo, mais uma vez, outra vez. Não aprendo nunca. Deixei você escorregar pela ponta de meus dedos, porque nunca consegui te ter nem na palma de minhas mãos. Deixei você ir e fiquei assistindo, de camarote, enquanto percebia que foi cedo demais. Tão cedo, que nem deu tempo de você gostar de mim e, ao menos, sentir minha falta. Provavelmente, nem meu nome você lembra mais, porque agora tem pessoas mais importantes para lembrar. E o pior é que, mais uma vez, eu não tenho chance; simplesmente não tem nem como competir com a nova menina. O que eu vou fazer agora? Logo agora, que eu tinha conseguido resgatar meu pedaço perdido de coração para poder entregá-lo à você. E me diz como eu, que sempre demorei tanto para gostar de alguém, fui gostar de você tão fácil e rápido? Logo eu, que sempre me mantive tão distante e tão segura da minha auto suficiência, acabei me deixando levar uma única vez e quebrei a cara. Fui entregar a chave do meu coração justo para quem não tinha interesse em destrancá-lo.
Sabe, vai ver é por isso que eu nunca gostei do amor. Ele nunca dura e, quando dura, não é recíproco; não permanece em ambas as partes. Por que, raios, alguém gostaria dele?
E agora me diz, que motivos tenho eu para acreditar que ele existe? A partir de agora, o pouco crédito que o amor tinha comigo se perdeu, extraviou; virou saldo negativo.

Um comentário:

  1. "Ele nunca dura e, quando dura, não é recíproco; não permanece em ambas as partes. Por que, raios, alguém gostaria dele?"

    é...eu também fico me perguntando isso e a resposta parece cada vez mais difícil de encontrar.

    ResponderExcluir

Toda ação gera uma reação. Eu agi, agora é vez de vocês reagirem. :)