quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Fora do contexto

Durante muito tempo, eu segui com grande esforço para me esconder. Me fiz comum e normal por fora. Passiva e paciente, feita basicamente de sonhos fáceis e alcançáveis; de dramas sobrevivíveis. À vista, apenas o basico, simples e o andar reto de uma menina criada por um mundo que gira em torno dessa sociedade cor-de-rosa-bebê-enjoativo. Disfarcei bem, confesso. Para que ninguém desconfiasse do que eu sempre guardei, deixei sair apenas o essencial e necessário. Mas aqui, dentro de mim, estive gritando por explicações e respostas.
Num lugar bem escondido, eu delirei, questionei, briguei, discuti e exigi saber os motivos. Enquanto meu silêncio preenchia o mundo ao redor, meus sonhos ilusórios e impossíveis foram moldados dentro da minha cabeça. Minha raiva da hipocrisia e falsidade dessa sociedade maquiada tomou forma. Meu lado adolescente e geneticamente revolucionário gritou à plenos pulmões por educação, respeito, honestidade e compaixão. Afinal de contas, nunca quis alvos fáceis de alcançar, não busco amores mornos com vidas certas.
Eu quero o que eu não vejo, não entendo e nem mesmo sei o que é. Quero bem mais que o máximo de tudo que puder me dar. Quero viver mais, me expressar mais, e fazer valer bem mais do que vale hoje em dia.
Agora, e só agora, eu vejo que o que eu mostrei a vida inteira é só um reflexo do mundo. Essa vida mais ou menos, com uma alegria pequena que caiba dentro dos bolsos; com um jeito comportado, delicado e responsável. Tudo uma mentira.
Porque, lá no fundo, eu sempre fiz coisas proibidas, tive um cabelo azul, pintei minhas unhas de verde limão e fui meio irresponsável. E essa sou eu, todo esse meu eu, que esteve por tanto tempo escondido no lado oculto, invisível e disfarçável; no lado de dentro, para que não causasse tragédias do lado de fora. Todo esse tempo, eu deixei de me ser, para que não descobrissem que sempre fui totalmente fora do contexto. Mas hoje o dia amanheceu mais claro e eu aprendi que posso sim contestar e questionar o sistema e tenho o direito de dizer a verdade.
Eu acordei essa manhã e parei de ser esse espelho sujo do mundo, para poder mostrar o que realmente faço, sou e acredito. Libertei-me dessa maquiagem e dessas falas muito bem ensaiadas, e vejo que ainda sou a menina da sociedade rosa, mas do rosa berrante; que se autodeclara diferente.
Hoje, não só dentro de mim, mas fora também, eu sou por inteiro. De corpo, alma, coração e mente.
Então, agora que eu confessei que não sou nada rasa e maleável, não me venha mais com superfícies, porque eu parei de fingir aceitá-las. Eu quero é o mergulho em águas profundas, em idéias e ideais densos. Quero esse abismo de palavras e sentimentos reais, palpáveis. Eu sempre quis isso e, na verdade, é o que todo mundo quer. E quem diz que quer outra coisa, é só para ser aceito como "normal".
Eu não quero sua piscina, mas um mar para me jogar de roupa e tudo. E pouco me importa se, ao libertar esse meu lado interno, eu cause espanto e choque, porque, na verdade, é essa a intenção; chocar esse mundo de sorrisos amarelos e palavras decoradas, mostrando que isso que eu sou agora é a melhor definição do verbo ser, ainda que esteja fora do padrão habitual. E deixar bem claro que eu não deixarei de sê-lo novamente apenas para não desencadear uma guerra. Afinal de contas, na minha guerra, eu luto apenas por paz. 

2 comentários:

  1. chega de coisas rasas. Acho que chega um momento que o que menos queremos eh ficar na superficie. Adorei o texto, me identifiquei muiiito.

    ResponderExcluir
  2. "Afinal de contas, nunca quis alvos fáceis de alcançar, não busco amores mornos com vidas certas.
    Eu quero é o mergulho em águas profundas, em idéias e ideais densos. "

    Eu quero é intensidade,cansei desse meio-termo,eu quero é ter história pra contar,quero parar de andar nessa linha da normalidade,quero parar de fingir,porque no fundo...a gente sempre foi fora do contexto,mas só agora percebemos que não há nenhum problema em ser assim.

    Fiquei muito feliz com o comentário,muito mesmo,obrigada :D
    E além disso,obrigada por escrever,porque sempre eu passo por aqui,sinto como se alguém me entedesse também,como se não estivesse sozinha nesse mundo de palavras,momentos e intensidade *-*

    P.S:Você vai no trote esse ano da Etecap? (:

    ResponderExcluir

Toda ação gera uma reação. Eu agi, agora é vez de vocês reagirem. :)