segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Adolescente

Tenho que confessar que não me incomodaria em não ter rugas, mas não é esse o principal motivo para essa agonia toda que anda me rondando. O que significa ter 18 anos para você? Independencia? Ou talvez liberdade? Ouvi dizer que é apenas o começo da vida, da verdadeira vida. Mas o que seria essa vida? Se for trabalhar, casar, ter filhos e viver supostamente feliz, me desculpe, mas eu dispenso. 
Eu quero o sangue fervente correndo por minhas veias. Quero cometer erros e ter o direito de cometê-los, afinal o que mais seria essa fase senão a experimental? Quero agir de forma desconexa e não ser culpada por isso. Sim, eu quero ser rebelde sem causas e não ter que lidar com as conseqüências. Não quero ouvir que eu sou grande o bastante para resolver meus próprios problemas, ou que já sou velha demais para usar meu all star sujo. Eu quero ser adolescente e justificar a essência dessa fase. Poder falar gírias e gingar por aí sem ter que me preocupar. Irresponsável e teimosa. Eu quero gritar quando tiver vontade sem ter que parecer uma louca na menopausa e ouvir as pessoas em volta dizerem que "tudo bem, ela é só uma adolescente". Cantar músicas estranhas e inventar novos estilos. Por que uma mulher de mais de 20 anos, não pode ter o cabelo azul? Sabe, eu estou bem feliz com essa minha idade, e não quero que ela fique para trás. Quero ouvir as pessoas colocando a culpa por esse meu comportamento inadequado na adolescencia e somente nela. Ser insana e falar palavras sem sentido. 
Quero criticar a sociedade, fazer a revolução e não ter que me justificar, afinal, eu sou uma adolescente e é assim que tenho que ser, para sempre. Eu quero não precisar de motivos para surtar. Não precisar de razões para explodir. Quero poder pintar minhas unhas de cores flúor apenas porque é legal, sem ter que parecer aquelas senhoras querendo dar uma de eu sou jovem e antenada.
Eu gosto de poder me expressar e me revoltar com a vida. Gosto de ser insana e contraditória, as vezes. Gosta dessa falta de responsabilidades e contas a pagar. Porque eu gosto mesmo é de chocar essa sociedade passiva de sorrisos amarelados e mostrar que nós somos jovens e que vamos mudar o mundo. Eu quero continuar aqui, com meu jeans rasgado e minha regata desbotada. Continuar extrapolando e extravasando. Extravagando. Sabe, continuar com essa ânsia por liberdade e independencia. Com essa ânsia por revolução e por colo de mãe. 
Eu quero ser assim para sempre. Ser chorona, explosiva e intensa como uma adolescente deve ser. Nem sempre ser levada a sério, nunca ter cem por cento de certeza e viver em constante dúvida, delirante paradoxo e inegável anormalidade. Eu quero mesmo ser adolescente, ser chamada de louca e sair por aí inconseqüente. Adolescente que reclama, que contesta, que briga por besteira. Que bate o pé e chora de raiva e não de tristeza. Adolescente que se contradiz, se estranha, se ensina as porcariadas. Eu quero. 
Quero, quero, quero. Preciso e anseio. Na íntegra, completa e totalmente, incondicionalmente e plenamente. Essencial e fundamentalmente, eu quero é ser adolescente.

2 comentários:

  1. "Nem sempre ser levada a sério, nunca ter cem por cento de certeza e viver em constante dúvida, delirante paradoxo e inegável anormalidade."

    Tenho medo do dia em que ficar velha demais para usar meu all star sujo...
    Texto perfeito,pra variar *-*

    ResponderExcluir
  2. Como assim. Quanto texto lindo. Amei demais tuas palavras, o blog, poxa... eu quero é ser adolescente.

    ResponderExcluir

Toda ação gera uma reação. Eu agi, agora é vez de vocês reagirem. :)