quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Pretérito Imperfeito

É só que, no fundo, eu sei que você nem lembra mais que um dia quis alguma coisa comigo ou que um dia eu fui para você mais que um simples rosto em meio a tantos outros. Lá dentro, eu sei que você nunca nem imaginou um algo mais; sei que não havia expectativas da sua parte e que tudo não passava de mera faísca só para tornar o dia menos tedioso.
Eu sei que você achava que eu também não queria nada, porque eu mesma te fiz pensar isso. Mas, sozinha com meu travesseiro, eu continuo esperando que você perceba que não sou tão durona quanto te fiz acreditar. Fico esperando que você note o quanto eu estava mesmo pensando em um final feliz e note o quanto eu queria que você quisesse isso também.
Na verdade, eu nem mesmo sei porque nunca te disse não nem sim. Não sei também porque te deixei esperar tanto. Agora vejo que tanto faz porque eu realmente passei esse tempo todo acreditando que você esperava por mim também, por um dia em que cansaríamos desse esconde-esconde e nos levaríamos a sério. Mas para você, isso nunca foi uma brincadeira, isso nunca nem existiu. Para você, não havia 'isso' nenhum. Era só seu passa tempo ficar tentando me conquistar. Era apenas algo divertido de se fazer.
Infelizmente, eu nunca te deixei saber que seus truques deram certo. E agora sou eu que percebo que levar isso a diante nunca esteve entre seus planos. E o pior é que nem mesmo te acusar por isso, eu posso. Porque, vai ver, a confusão fui eu quem fiz. Você sempre deixou claro suas intenções, então eu sei que fui eu a culpada; a boba que acreditou nas suas palavras fáceis quando sabia que não deveria. Não posso te condenar já que eu mesma fingia saber que era tudo mera gozação. A culpada sou eu sim; eu e esse meu orgulho; esse meu medo de abrir a guarda e achar que, se o fizer, acabarei decepcionada de novo.
Pensando só em mim foi que eu esqueci de pensar na hipótese de você cansar de me esperar. Esqueci que você não estaria ali, dispoível para sempre. E eu sei que foi você que saiu aparentemente perdendo na época mas saiba que, na realidade, a perdedora sempre fui eu.
Hoje eu tento me convencer que você não vai voltar, já que nunca nem veio, mesmo eu continuando a te esperar. Eu continuo a fingir que você vai se dar conta de que também pensa assim, mesmo tendo plena certeza que eu nem passo mais pela sua cabeça.
Eu sei que você tem outra para ocupar seus pensamentos agora e vendo-a tão refletida em seus olhos, eu me pergunto se você gosta mesmo dela e se gostava mesmo de mim antes. Me pergunto se você usa a mesma mania de brincar que usava comigo. Os mesmos dedos justos que se enrolavam em minha mão, são também justos na mão dela? Talvez ela seja mais magra e mais legal. Mas o abraço apertado nosso é o mesmo quando você está com ela?
Logico, você não deve ficar irritado da mesma forma que ficava comigo porque ela não deve ser tão chata e esnobe com você quanto eu era. Porem, as conversas são tão dinâmicas quanto as nossas eram?
O cabelo dela escorrega e entrelaça tão bem nas suas mãos quanto o meu? Você também brinca que a ama como fazia comigo anos atrás?
Eu sei que são perguntas bobas com respostas óbvias e sei que, no final das contas, ela te oferece mesmo mais do que eu oferecia. Ela te faz feliz de verdade, como eu não fazia por insegurança. Ela é engraçada e bonita, e tem um papo legal. Talvez seja diferença demais para eu comparar. Provavelmente eu perco feio para a nova menina. É só que eu não me acostumei com isso ainda. Não me acostumei com o fato de vocês dois terem mais a ver do que eu e você.
Então, antes de concordar com tudo o que eu disse, só me responda: Ela é a mulher que Picasso disse ser a ideal? Aquela que quando você olha, vê um anjo e quando está nos seus braços, provoca tentações que só demônios podem provocar? Ela é mesmo tudo isso ou só uma faísca de um fogo de lareira?
Será? Será mesmo que ela é a resposta para todas as suas perguntas, enquanto eu era apenas mais uma pergunta para você? Ela é a garota por quem você procurava, ou é a que te encontrou no meio do caminho?
Pensando melhor, tanto faz. Porque nada disso vai mudar, mesmo que eu não consiga perder o fiozinho de esperança quando você me olha. Mas fui eu quem quis que você fizesse parte do passado e, por isso, me forço a entender que você não está ao meu alcance, bem como nunca esteve.
Não está ao meu alcance como eu pensava que estava antes, como eu pensei que estaria sempre e assim como nunca vai estar.
Pois é, entre os meus dois pretéritos que você poderia fazer parte, Deus-sabe-o-porquê, eu escolhi te colocar no imperfeito, e talvez esse tenha sido o erro.



"Só falta te querer, te ganhar e te perder. Falta eu acordar, ser gente grande para poder chorar."

Um comentário:

  1. aaah...que triste!
    O texto está incrível!
    Você escreve muiiito bem!beijos

    ResponderExcluir

Toda ação gera uma reação. Eu agi, agora é vez de vocês reagirem. :)