segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Por trás do vidro da janela

Por trás do vidro da janela, eu vejo as árvores mais verdes.
Eu vejo o asfalto molhando brilhando.
Eu vejo o reflexo do meu olho.
Por trás do vidro da janela, eu vejo os pingos de chuva gotejando como lágrimas correndo pela avenida e escorrendo pelo vidro.
Lágrimas e chuva. Lágrimas de chuva.E elas passam por mim, apostando corrida em suas jornadas fáceis.
Por trás do vidro da janela, eu vejo o sonho; vejo a realidade.
Por trás do vidro da janela, eu vejo a palma da minha mão, eu vejo a divisão entre a razão e a escolha. Eu me divido entre o ter e o não ser.
Por trás do vidro da janela, eu me colido entre a certeza da realidade e a magia da fantasia.
Eu me perco em ilusões desnecessárias, em idéias loucas enquanto vou deixando a rua para trás junto com tudo que ficou.

Por trás do vidro da janela,

eu vou me deixando para trás, e assumindo o meu 'piloto automático'.

Um comentário:

  1. Meu Deus!Que blog lindo!Que textos perfeitos!!
    Parabéns!! :)

    ResponderExcluir

Toda ação gera uma reação. Eu agi, agora é vez de vocês reagirem. :)